17/12/2013

CRIAÇÃO DO MOVIMENTO ECOLOGISTA-VALE DE SANTARÉM

COMUNICADO DIVULGADO AQUANDO DA CRIAÇÃO DO MOVIMENTO ECOLOGISTA-VALE DE SANTARÉM
 
O Vale de Santarém, em tempos “pátria de rouxinóis e de madressilvas”, no dizer de Almeida Garrett, que projectou para o futuro uma imagem que os Vale-Santarenos gostariam de manter, tem como todas as terras, nos nossos dias, problemas diversos, entre os quais os da poluição dos seus cursos de água, a contaminação dos solos, a degradação das zonas arborizadas.

No nosso caso, o maior problema reside no rio Maior/Vala Real, que há anos sofre constante e progressiva poluição, não só nos limites da freguesia mas também a montante. Pessoas e organizações de diversas localidades ao longo do rio têm vindo a tomar posição pública, dado que o rio se transformou num esgoto a céu aberto, mais ainda nos períodos do ano em que não chove, com manifesto prejuízo para a saúde pública: águas impróprias usadas em regas, os maus cheiros surgem, os peixes desaparecem ou morrem, a utilização das águas e das margens do rio como espaços de recreio e de lazer é uma miragem.

Existem muitos esgotos dirigidos para os afluentes do rio Maior. No Vale, o ribeiro histórico que atravessa a nossa terra e que deveria merecer a maior atenção de todos, também deita poluentes no rio Maior, contribuindo assim para o estado lastimável em que este se encontra, que não é novidade para muitos, porém pouco tem sido referido e as autoridades nada têm feito: há valas de suinicultoras e de indústrias canalizadas para o rio, há estações de tratamento inoperacionais ou desligadas.

Além dessas, outras preocupações merecem atenção no nosso Vale de Santarém, entre as quais a preservação e manutenção de autênticos monumentos históricos da nossa terra: o Pombal, o Pinheiro das Areias e as Fontes – das Três Bicas e de Uma Bica – e da nascente que as alimenta.

Todos estes motivos requerem acção de cidadania consciente, continuada e persistente, através de valores e práticas ecologistas, que sirvam os interesses comuns dos habitantes do nosso Vale, pela defesa dos cursos de água, por uma vida saudável, pela preservação dos nossos espaços históricos e a valorização da nossa terra.

Foi com este sentido que se criou recentemente o MOVIMENTO ECOLOGISTA – VALE DE SANTARÉM, resultado do encontro de opiniões de grupos de habitantes e de dirigentes das nossas colectividades, todos eles concordantes na necessidade de juntar vontades e organizar acções para defender princípios e objectivos ecologistas na nossa terra.

O MOVIMENTO ECOLOGISTA – VALE DE SANTARÉM é independente, apartidário e assume princípios e valores de respeito perante todas as organizações, colectividades e pessoas da nossa terra, intervindo nos domínios ecologistas que justificam a sua criação, e para os quais solicita a atenção dos Vale-Santarenos, visando o seu bem comum.

O MOVIMENTO ECOLOGISTA – VALE DE SANTARÉM orientar-se-á por uma prática transparente e de relação franca e aberta com todas as pessoas e organizações, e divulgará as iniciativas e posições que, norteadas pelos princípios aqui expressos, decidir realizar, com a participação dos Vale-Santarenos e outros.

A apresentação do MOVIMENTO ECOLOGISTA – VALE DE SANTARÉM, realizado por esta via para conhecimento de todos os habitantes da vila, é subscrito por alguns dos participantes nas reuniões que estiveram na sua génese.

Em 5 de Setembro de 2013

SUBSCRITORES

António João - António José Baeta - Carlos "Spínola" - Carlos Vieira - Dário Vieira - Jorge Costa - José Carlos Lipampos - Luís Caniço - Luís Fandinga - Mário Oliveira - Manuel Azenha - Manuel João Sá - Manuel Martins - Manuel Reinaldo Ribeiro - Maria Fragoso - Mário Lima - Paulo Azenha - Rita Fernandes.

A reunião que decidiu a criação do Movimento realizou-se na sede do Clube de Amadores de Pesca do Vale de Santarém, em 30 de Agosto de 2013.




 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário